domingo

Ex-entregador de carga conta como se tornou dono de transportadora

Eu sempre admirei e admiro esses vencedores da vida, esses grandes empresários que começaram lá de baixo, bem do início e, com muita perseverança, fé, honestidade e muito trabalho, conquistaram seus lugares ao sol, hoje são donos de empresas consolidadas do mercado brasileiro.


Existem muitas grandes empresas no Brasil cujos donos começaram do zero, como é o caso do apresentador Silvio Santos, dono do SBT e muitas outras empresas, Luiza Helena Trajano, dona da rede de lojas Magazine Luiza, entre outros.

Mas hoje vocês irá conhecer um pouco da história de um vencedor, de um ex-entregador de carga que começou com uma bicicleta e hoje é dono de uma das maiores transportadoras de carga do Brasil, João Braz Naves, 61, é dono da RTE Rodonaves.

Veja o depoimento de João Braz Naves:

Nasci em Altinópolis, fui para Minas com 16 anos e só cheguei a Ribeirão Preto aos 19. Antes de montar a Rodonaves, vendi passagem de ônibus por quase dez anos.

Eu era o único bilheteiro, aquele que levava os pacotes para os ônibus. E me perguntava por que as pessoas colocavam encomendas nos ônibus. Isso não saía da minha cabeça e aí descobri que era por causa da rapidez. Só que não tinha o serviço de coleta e entrega a partir dos ônibus.

Como a empresa onde eu trabalhava demitiu vários funcionários, entre eles eu, aproveitei a ideia para montar esse negócio. Era 1980 e eu tinha 29 anos. Arrumei um box pequeno na rodoviária e comecei a fazer entregas sem a bicicleta. Levava tudo nas mãos, nos ombros.

Aí comecei a perguntar nas empresas próximas se eles me pagavam mais para eu entregar as mercadorias dos ônibus diretamente para eles, usando já uma bicicleta.

Eles adoraram porque, assim, facilitava para eles. Então comprei uma bicicleta Brandani, em dez parcelas. Deu três meses e a bicicleta já não dava mais conta.

Eu pegava a encomenda no ônibus e entregava no destino. O negócio foi tão bem que, em três meses, comprei uma Kombi 71 e meu primeiro funcionário assumiu a bicicleta. Nesse momento, comecei a atender Ribeirão Preto quase inteira e até usava a Kombi para entregas na região. Eu já tinha cinco funcionários.

Logo começaram a aparecer empresas de ônibus que me repassavam serviço. A [viação] Santa Cruz entrou na história e colocou um caminhão para eu fazer as entregas. Mais três meses e esse caminhãozinho já era pouco. Viramos sócios.

PEDRAS NO CAMINHO

Contando assim parece que foi tranquilo, mas não foi. Eu não tinha casa própria, tinha três filhos. Em 84, quando minha primeira mulher quis a separação, foi um susto danado. Só que foi assim que percebi que a Rodonaves já estava dando um dinheirinho. Até então, não sabia por que não cuidava disso.

Mais adiante, quando o negócio parecia bem, tive outro susto. Eu me separei também da empresa Santa Cruz.

Essa época foi difícil. De 18 veículos na frota, sobraram só dois caminhões pequenos.

Sem muita estrutura, comecei quase do zero de novo. Arrumamos um caminhão sem baú e jogamos uma lona em cima. Foi um ano com esse caminhãozinho.

De 97 praças que eu fazia antes com a Santa Cruz, tive que começar só com 27. Mas, em menos de um ano, já tinha quase o mesmo movimento de antes.

Arrumamos gente que pegava para fazer entrega até de charrete em algumas cidades. Em 95, tive coragem de comprar dois caminhões zero porque precisava muito fazer outras linhas.

VENDAVAL

Mas antes disso, em 1994 mesmo, teve o grande vendaval em Ribeirão Preto.

As mercadorias ficaram todas molhadas, não tinha mais nada. Fui atrás do seguro, mas não cobria vendaval. Nós pedimos mesmo assim e, graças a Deus, o seguro percebeu a necessidade e pagou.

Acho que me ajudou muito ser honesto porque eu não quis explorar o seguro, só pedi o necessário.

Também procurei os clientes e, por incrível que pareça, muitos aceitaram as mercadorias do jeito que estavam.

A RETOMADA

Todo mundo achou que a gente ia desistir depois disso, mas não foi assim. De 97 em diante, já não usava mais os ônibus como estratégia para enviar as mercadorias.

Cheguei um dia a Goiânia e vi que tinha serviço de sobra, mas não tinha estrutura. Arrumei um barracão e comecei na praça.

Isso faz 14 anos, foi na mesma época que construímos a atual sede em Ribeirão Preto, num terreno que comprei da usina Batatais.

Saímos de uma área de 600 m² para outra de 3.000 m². Daí para a frente foi só festa.

Fonte: Folha

2 comentários:

Blog do Davi disse...

Muito Legal a sua história. Fiquei muito admirado.
Estou começando agora o meu negocio de transporte de carga fracionada e vou pegar a minha primeira fiorino agora.
Fico feliz por historias como a do Sr.
Elas me inspiram.

Pedro Oliveira disse...

Muito bom! Inspirador!

Postar um comentário